A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou essa semana, a 4ª edição do Mapa Assistencial, com diversas informações sobre o atendimento prestado pelas operadoras de planos de saúde de assistência médica-hospitalar e odontológica no País. De acordo com a ANS, entre os dados disponíveis há a quantidade de internações, consultas, terapias e exames, bem como os custos assistenciais informados pelo setor. Os dados contidos no Mapa Assistencial da Saúde Suplementar referem-se aos anos de 2014 e 2015, e a principal fonte de dados são informações fornecidas pelas operadoras de planos de saúde por meio do Sistema de Informações de Produtos (SIP).

Segundo os dados da ANS, por exemplo, no segmento filantrópico, o número de consultas ambulatoriais caiu de 5,8 para 5,3 por pessoa entre 2014 e 2015. A taxa de internação hospitalar por 1.000 beneficiários, por sua vez, subiu de 187% para 310% no mesmo período. No SIP, as internações são identificadas por ocasião da alta hospitalar.

Quanto às cesarianas, os dados das operadoras filantrópicas demonstraram uma ligeira queda de 2014 para 2015, a cada 100 partos realizados, saindo de 86,3% para 85,1%.

A ANS informa que o SIP é um sistema pelo qual as operadoras enviam dados agregados de eventos em saúde – consultas, exames, terapias, internações e procedimentos odontológicos. Com periodicidade trimestral, atualmente é uma das fontes de dados para o acompanhamento e avaliação da ANS em relação ao setor.

O preenchimento do SIP foi expressivo no período avaliado, tendo variado de 89,82% a 91,55%. Também foi elevado o percentual de beneficiários abrangido pelas operadoras que informaram seus dados assistenciais pelo SIP - de 98,50% a 99,56%. Portanto, o Mapa Assistencial soma-se a outras iniciativas da ANS, que têm como objetivo dar transparência aos dados de produção assistencial.

Fonte: ANS